Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

COUTO MIXTO LAMADARCOS MANDIN

UM POVO UMA FALA

COUTO MIXTO LAMADARCOS MANDIN

UM POVO UMA FALA

LAMADARCOS de João antonio aires; mestura de versos con AROU … (II)

13.03.12, vero fillodateresa netodorevidas

Segundo poema de João Antonio Aires de Lamadarcos,

seguindo a achega feita por O Xico de Mandin;

unha mestura de sensibilidades mandilexas e lamadarquesas,

de versos e de AROU:

 

13 O que aumentou Lamadarcos

Eu nem esperava acordar

Para ver as pessoas a diminuir

E as casas a aumentar.

 

14 De quando eu era rapaz

Isto lhe posso contar andavam

Por aqui alguns pobres manhosos

A pedir, mas nem era de admirar

Agora se torna mais escandaloso

Ver tantos ricos roubar.

 

15 Tinham dois carros de bois

 mas náo tinham automóvel nem tractor

nesse tempo procuravam para casar

a filha do lavrador.

 

16 Por andar ao sol e á chuva

E castigado com o trabalho

Não tinha tempo de pintar

Pois o lavio estava sempre da mesma cor.

 

17 Quando eu era rapaz

Não havia lixo, nem lixeira

Não conhecíamos os iogurtes

Nem era preciso barrar o pão com manteiga.

 

18 Naquele tempo não havia prendas de natal

Para o mais velho nem para o mais novo

Nem no dia que faziam anos

Estragavam os dentes para comer o bolo.

 

19 Tal era a prenda ou brinquedo

Do Pai e do Avô como a dos Padrinhos

Nem se punha o sapato na chaminé

Pois quase todos andávamos descalçadinhos

 

20 Com duas fontes de mergulho

Lamadarcos se govemava

Se cada um gastásse um litro de água a lavar os pés

Para a casa já Ihe faltava.

 

21 Em Lamadarcos colhia-se

Azeite e vinho que fazia a gente animar

Hoje a azeitona fica na oliveira

e muitas uvas sem vindimár

 

22 Na era de 1931 e 32 começa

A vida a melhorar pois

Foi-se buscar mais água á varinha e ás carvalhas

E já havia água até sobrar.

 

23 Hoje que já á mais água

Das carvalhas e dos minhotos

Falta a água a muita gente

E é desperdicada por marotos.

 

24 Há gente que gosta muito de flores

Á volta das suas casas

Porque é só abrir a tomeira

E não custa nada regá-las.

 

Joao antonio aires